programação /exposições

Pantanal – Terra de Peão, de João Oliveira

Inauguração 23 de Março, 16h / até 11 de Maio

Quase como de uma forma documental, João Oliveira pretende, através da Fotografia, colocar-nos sobre a sua perspectiva de relação com o mundo que o rodeia e transmitir-nos as experiências adquiridas ao longo da sua “permanência”, neste caso, no Pantanal (BR).

O Pantanal, sendo uma das zonas no globo mais isoladas do mundo e inóspitas para os humanos é também onde a vida selvagem abunda. Agora, mais do que nunca, o Pantanal precisa de ser protegido. Neste espaço trespassado de cor e biodiversidade, distante de tudo, existe também uma cultura bem enraizada, na qual o “Peão”(cowboy) tem um papel fulcral.

João teve a oportunidade de sentir e respirar o Pantanal durante seis meses de pesquisa. Transformou-se num membro mais da família que o acolheu, adquirindo experiências e conhecimento que o permitiram viver como uma das pessoas de lá e trabalhar como guia. Desta vivência pessoal e, como parte integrante desta comunidade, foi-lhe permitido que captasse o íntimo das pessoas, animais e natureza.

 

Com o apoio:

Candela al jarro, hasta que largue el fondo, de Michel GMG

Inauguração 23 de Março, 16h / até 11 de Maio

“Candela al jarro, hasta que largue el fondo” é uma frase popular metafórica que se refere à persistência. Desta maneira se dá calor ao recipiente aproveitando todas as possibilidades que o seu uso oferece até ao fim, quando perca o fundo e não se possa utilizar mais.

O artista cubano Michel GMG, propôs-se a realizar vários ensaios fotográficos como evidencia de que em Cuba se aproveita tudo e que quem saiba reparar ou inovar para manter algo a funcionar, tem garantido um trabalho que dará alimento à sua família.

O artista reafirma a convivência de um oficio com outro, das soluções criativas empregues pelos especialistas e a paixão com que estes homens de modo honrado e consequente se entregam ao seu lavor.

“Candela al jarro, hasta que largue el fondo” fotografias e audiovisuais, é uma selecção que pretende chamar a atenção sobre a forma de vida do indivíduo contemporâneo de uma pais tão peculiar como a ilha de Cuba.

A partir da conjugação de ofícios baseados na reparação de objectos com função utilitária como relógios, isqueiros, fechaduras, panelas, velas e bicicletas se gera uma estética onde a precariedade e austeridade extravasam os seus limites.

 

Oficina/workshop de foto-reportagem

25 a 28 de Março 2019

Esta oficina decorrerá em 4 dias consecutivos e terá como base um percurso fotográfico com uma introdução sobre o código de ética para fotojornalistas, pressupostos estéticos da foto-reportagem, edição das imagens capturadas e mostra do resultado do workshop.

Cada participante deverá ter o seu dispositivo para fazer a foto-reportagem.

 

OBUDO HOZUKI, de Chihiro Ito

Inauguração dia 16 de Fevereiro às 16h
O CAAA apresenta, como já é habitual, uma exposição das telas de Chihiro Ito na fachada do edifício. Este trabalho mais recente de Ito, foi desenvolvido durante os últimos meses, na sua residência artística em Nova Iorque.