arquivo 2014 – out / nov / dez

2 METROS QUADRADOS

postTerça-feira 16 Dezembro, 21h30, entrada livre

Sinopse

Daniel é jornalista, trabalhou em vários meios de comunicação, teve uma empresa mas acabou a dormir em 2 metros quadrados. É ele que nos vai mostrar como funciona o sistema que considera ser um verdadeiro “negócio da pobreza” que move milhões. Um filme sobre os “novos sem-abrigo”, dos que vivem em casas abandonadas, dos que vivem debaixo de teto e não têm o que comer.

No final do filme decorrerá um colóquio com a presença dos realizadores bem como do protagonista.

 

Filme de: Ana Luísa Oliveira e Rui Oliveira
Director de Fotografia: Rui Oliveira
Edição: Pedro Magano
Argumento e Realização: Ana Luísa Oliveira e Rui Oliveira
Produtora: Pixbee

António Barros: COISAS REAIS

postCoisas Reais

Inauguração 6 Dezembro 16h / até 11 Janeiro 2015

Finissage 11 Janeiro 17h30 – Densidade endereçada, por Rui Torres

“A verdadeira utilidade da faculdade imaginativa dos tempos modernos é dar vida aos factos, à ciência e às vidas vulgares, dotando-as com o brilho, as glórias e o derradeiro carácter ilustre que é próprio de cada coisa real, e somente das coisas reais. Sem essa essencial vivificação – que só o poeta e outros artistas podem dar – a realidade pareceria incompleta e finalmente a ciência, a democracia e a própria vida pareceriam vãs.” Walt Whitman

Biografia

António Barros é natural do Funchal, António Barros (1953-) estudou na Universidade de Coimbra e na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Barcelona. Trabalhou na década de 1970 com Wolf Vostell, Alberto Carneiro e José Ernesto de Sousa. Organizou diversas exposições e ciclos de performance, entre os quais Projectos & Progestos (1979-83, Coimbra). Participou em inúmeras exposições coletivas desde os finais da década de 1970 e realizou várias exposições individuais. A sua obra artística está representada nas coleções do Museu de Serralves, do Museu Vostell de Malpartida, Cáceres, e do Museu de Arte Contemporânea do Funchal.

A obra de António Barros pode filiar-se quer na poesia experimental portuguesa, quer no movimento Fluxus internacional. Trata-se de uma obra intermédia, na qual a dimensão plástica dos objetos, colagens e instalações é sujeita a operações de renomeação metafórica dos referentes e à exploração da visualidade gráfica da palavra. De entre os géneros de poesia visual, destaca-se na sua obra o poema-objeto. Com efeito, é através de uma poética do objeto encontrado que a sua obra se integra plenamente na poesia experimental portuguesa. Através de intervenções que colocam em interação palavras e objetos, os seus poemas-objeto alimentam-se da tensão entre a semântica social da palavra e a sua função referencial de nomeação. O objeto vê-se cindido entre a sua função e a carga simbólica que o define na semiótica social. Por via da retroalimentação entre esta ressignificação do objeto e a objetificação gráfica da palavra, os poemas-objetos tornam-se capazes de criar camadas de sentido e de alusão à experiência individual e social. Nestes objetos encontramos um sentido profundo da dimensão política das relações sociais e uma crítica irónica à reconstituição das estruturas de poder no Portugal pós-revolucionário.

http://barrosantonio.wordpress.com/
http://whatiswatt.org/
http://po-ex.net/

O amor dos infelizes

post

Antestreia para público em geral: 28 e 30 de Novembro, 22h

O amor do infelizes, constrói-se a partir de uma adaptação cénica do segundo capítulo do romance O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe. Margarida Gonçalves, presença regular no espetáculos da companhia Teatro Bruto, incorpora aqui a figura de uma anã, explorando territórios entre a personagem e o seu narrador, onde é espectadora de si própria e dos acontecimentos da história que narra, e, simultaneamente, veículo dos sentidos mais amplo e complexos que o texto propõe.

Estreia e carreira

Mala Voadora

Rua do Almada, 277, Porto

10 a 14 de dezembro 22h

Domingo 17h e 22h

Sessões para grupos escolares organizados, manhã ou tarde, em horário a combinar:

27 e 28 de novembro, Guimarães

11, 12 e 14 de dezembro, Porto

Estas sessões estão sujeitas a marcação prévia.

Encenação e adaptação Ana Luena

A partir de texto de Valter Hugo Mãe

Com Margarida Gonçalves

Música original Peixe

Desenho de luz Rui Monteiro

Produção Executiva Luís Puto, Marta Amaro

Criação e produção Teatro Bruto

Parceria CAAA, Mala Voadora

Apoio Circolando

Duração aprox. 45 minutos

M/14

Tânia Dinis: Curva Ascendente

postCurva Ascendente
Criação de Tânia Dinis
Com um texto de Regina Guimarães
Apoio Artístico de Jorge Quintela
Ilustração de Celine Amorim

Dia 8 e 9 de out – marcações para escolas
Dia 10 de out – 19h
Dia 11 de out – 16h e 18h

Sinopse:
Exploração do confronto da imagem com aqueles nela representados, recorrendo a suportes e dispositivos de imagem associados ao universo afectivo familiar.
Curva Ascendente é um íntimo-partilhado.
Um encontro familiar.
Na minha casa, existe um avô Armindo e um tio-avô Fernando que registaram as memórias da minha família, revisitadas agora por mim.

Conta com o apoio de: GDA Direitos dos Artistas, CAAA  Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Casa da Imagem, ESMAE, Fábrica da Rua da Alegria, Olho de Vidro, Guimarães NOC NOC, Família Dinis e de muitos amigos.

Lotação máxima: 15 pessoas
Reservas: taniasofiadinis@gmail.com ou 919133302

KRAFTWORK

post

18 Outubro, 23h30

A Kraftwork é uma sessão híbrida que mistura concertos, djing e exposições. Um evento com a curadoria da Metapolis Av baseado num encontro descomprometido entre música, performances e artes gráficas.

● EXPOSIÇÃO / REBLOGGED:
- ANA ARAGÃO

● BLACKBOX / DJ. SETS:
- CORGI BUTTZ / LUÍSA CATIVO (THUG UNICORN) + ANA LIMA
+ MARCELA FERNANDES
+ RAQUEL ARAÚJO
+ YES, LOVE DJ SET

● CONCERTO:
- CAPTAIN BOY

● MOSTRA COLECTIVA:
- ANGELA ES (VIDEO)
- DAVID FERREIRA (VIDEO)
- DANIEL KICKFLIP + JOÃO VIEIRA (GOLDEN HEART TATOO)
- LUÍS PEDRO CASTRO (FOTOGRAFIA)
- NELSON XIZEMEN (ILUSTRAÇÃO)
- PAULA FREITAS (FOTOGRAFIA

● SHOWROOM:
- MYSSON

Mais Informação aqui.

Jaye Rhee: Sobreposição e Desdobramento

postO CAAA tem o prazer de apresentar a exposição a solo de Jaye Rhee, Sobreposição e Desdobramento.

Usando vídeo, som, instalação e fotografia, Rhee investiga a natureza evasiva do desejo autêntico focando-se na tensão irreconciliável.

Quando a câmara “captura” um espaço, remove a 3ª dimensão desse espaço. O observador pode parcialmente restaurar esse espaço perdido acreditando na imagem 2D que a câmara constrói. Mas esse é trabalho feito ao nível da imaginação e da percepção – o espaço “original” nunca será recuperado. Perdas e ganhos contrabalançam-se para assim criarem um novo espaço visual. O trabalho de Rhee dança neste limite do 2D e do 3D, indagando sobre a interação da percepção, imaginação, desejo e crença.

Como na maioria dos seus trabalhos, no núcleo do seu recente projecto The Flesh and the Book reside um conflito irresolúvel; aqui ele existe entre dança física e notas musicais. Os dançarinos atuam dentro de uma “pauta” musical, feita de cinco bandas de borracha grossa suspensas em diferentes alturas, ainda que estejam à mesma distancia entre elas. Uma perda visual ocorre quando as notas musicais bi-dimencionais transitam para a dança tri-dimencional, e vice versa. Quanto mais notas são ganhas mais dançarinos são perdidos; os dois têm que se manter em equilíbrio apesar de assumirem existências opostas.

Yehuda E. Safran escreveu sobre esse trabalho: “Nós seguimos com os nossos olhos os movimentos e contornos das coisas, esta relação mágica, este pacto entre eles e nós de acordo com o qual lhes emprestamos do nosso corpo para que eles registem sobre ele e nos dêem a sua imagem, este vinco, esta cavidade central do visível que é o meu ponto de vista, estes paralelismos do visto e do visível, do palpado e do palpável, formam um sistema fechado. Nós contamos com este sistema, que define as nossas visões e oferece-nos uma constante forma de visibilidade da qual não conseguimos desligar-nos.”

Itinerário do Sal

postItinerário do Sal
New Op-Era - Miso Ensemble

25 Outubro, 18h30

Black-Box

Itinerário do Sal é um expoente superlativo da aliança entre criatividade, tecnologia e inovação nas artes performativas, aliando de forma singular tradição e contemporaneidade, poesia, teatro, música e imagem. Uma aposta num espectáculo original com provas dadas por todo o mundo com perto de uma centena de récitas, que assenta na metáfora do Sal como elemento essencial à vida, à sustentabilidade e como ingrediente único que faz a diferença entre a insipidez e o sabor.

A seguir ao espectáculo haverá uma conversa comos artistas.

Mais informação aqui.

Rui Castanho: Quando os Céus ainda não tinham nome, a Terra ainda não tinha nome

postAté 26 Outubro

“Quando os Céus ainda não tinham nome, a Terra ainda não tinha nome”
É uma exposição que pode sugerir um estado pré-adâmico, onde o homem e as suas ideias ainda não foram formulados como medida de todas as coisas.
Aqui o axioma hermético e humanista ‘’O que está em cima é como o que está em baixo’’ ainda não foi assente e a metafísica negocia a definição das fronteiras da Terra – a experiencia sensível do artista.
Marco Galrito

AUTOUR DES DOCUMENTS

postR2: Lizá Ramalho + Artur Rebelo

Inauguração 31 Outubro 22h / Até 30 Novembro

Alguns dos documentos que integram a nossa coleção pessoal são o ponto de partida para a criação de uma série de ensaios visuais. Impressos e objetos, de proveniências diversas — adquiridos, encontrados, herdados ou oferecidos—, que documentam vivências e memórias e fazem parte de um espólio reunido ao longo de vários anos, tendo, em alguns casos, informado a nossa prática profissional e artística.

Lacaton & Vassal: Duas Obras

postLacaton & Vassal: Duas Obras

Inauguração 31 Outubro 22h / Até 30 Novembro

Em Junho de 2014, a convite da Escola de Arquitectura da Universidade do Minho, o fotógrafo Paulo Catrica deslocou-se a França com o intuito de fotografar duas obras do atelier francês Lacaton & Vassal: a Escola de Arquitectura de Nantes (2009) e o Museu de Arte Contemporânea em Dunquerque (2013).

Fugindo a uma leitura focada exclusivamente no objecto arquitectónico, esta exposição propõe uma reflexão sobre apropriação, uso quotidiano mas também sobre a inserção do objecto no território.
Simultaneamente, a exposição dá a oportunidade ao visitante de conhecer os respetivos Projectos de Execução a partir de desenhos técnicos impressos à escala. Deste modo, propõe-se também sublinhar a importância de um saber e economia construtiva, subjacente à qualidade espacial que caracteriza as obras do Atelier Lacaton & Vassal.

Comissariado: Pedro Bandeira e Ivo Oliveira
Produção: Ivo Oliveira e Rute Carlos
Catálogo: Pierrot Le Fou
Textos: Pedro Bandeira, Ivo Oliveira, José Capela
Organização CAAA, EAUM e Pierrot le Fou.

plica – Fábrica de Artigos

postplica – Fábrica de Artigos

Inauguração 31 Outubro, 22h / Até 30 Novembro

PLICA, uma publicação que procura explorar arquitectura através da imagem. O termo plica alia o processo de complicar uma imagem ao formato de comunicação, um sistema de dobras que apresenta em sequência os vários olhares produzidos através de uma mesma imagem.
plica – Fábrica de Artigos pretende-se um mecanismo para explicar e valorizar o processo de produção e o formato da publicação. Espacial e conceptualmente, a plica dá-se a conhecer numa sequência de três tempos – apresentação, observação-interpretação, criação – distribuídos ao longo de um percurso que se impõe interativo e dinâmico.

III aniversário

post III aniversário do CAAA!

dias 3, 4 e 5 de outubro comemoramos o terceiro aniversário do CAAA, com concertos, performances e exposições, em colaboração com os Revolve e Gnocnoc 2014

I – 3 de Outubro

Performance / Instalação
Curva Ascendente, Tânia Dinis / 19h

Concertos
Mucho Flow 2014
Movimento Perpétuo / 19h30
Toulouse / 20h15
Bitchin’ Bajas / 21h
The Vacant Lots / 22h
Sculpture / 23h
Amen Dunes / 24h
Cave / 1h
Dj Lynce / 2h
mais info aqui

II – 4 de Outubro

Exposições
Sobreposição e Desdobramento, Jaye Rhee
Quando os Céus ainda não tinham nome, a Terra ainda não tinha nome, Rui Castanho
Retido na Alfandega 2013, Chihiro Ito

Performance / Instalação
Manuela São Simão / 16h

Performance
Mata de Ouro, Yuutus Roy / 17h, 22h30

Performance / Instalação
Curva Ascendente, Tânia Dinis / 18h30

Concerto
Bandstand Blues Band / 19h30

Música
DJ Twingo / 19h
DJ HL + DJ Xplosion / 20h

III – 5 de Outubro

Exposições
Sobreposição e Desdobramento, Jaye Rhee
Quando os Céus ainda não tinham nome, a Terra ainda não tinha nome, Rui Castanho
Retido na Alfandega 2013, Chihiro Ito

Performance
Mata de Ouro, Yuutus Roy / 17h

Performance / Instalação
Curva Ascendente, Tânia Dinis / 18h